QUINTA-FEIRA SANTA
 
     
 

Na quntia-feira os eventos são contidos na Catedral. De manhã há a Bênção dos Santos Óleos, presidida pelo bispo da diocese. Tradicionalmente o coral participa desta cerimônia cantando uma adaptação local em forma de missa de um Tractus de José Joaquim Emerico Lobo de Mesquita (1746–1805), um dos mais eminentes compositores colonias de Minas Gerais. A adaptação é em português com arranjos de Maria Ilza Musa Pompeu (b. 1915). Consiste de um Senhor, um Glória e um Santo.

 
     
 
 
     
  Para a entrada e saída do bispo, o coral canta Ecce sacerdos:  
     
 

Ecce sacerdos magnus, qui in diebus suis placuit Deo
Ideo jure jurando fecit illum Dominus crescere in plebem suam.
Benedictionem omnium gentium dedit illi, et testamentum suum confirmavit super caput ejus.
Ideo jure jurando fecit illum Dominus crescere in plebem suam.

Gloria patri et filio et spiritui sancto.


Veja o grande sacerdote que agradou ao Senhor durante sua vida:
Por isto, através de um juramento o Senhor assegurou-lhe que aumentaria sua posição perante o seu povo.
A ele deu a bênção vinda de todas as nações e confirmou seu testamento sobre sua cabeça.
Por isto, através de um juramento o Senhor assegurou-lhe que aumentaria sua posição perante o seu povo.
Gloria ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo.

 
     
  Durante a procissão dos Santos Óleos o coral canta O Redemptor, de compositor não-identificado. Seu texto é o seguinte:  
     
 

O Redemptor sume carmen temet concinentium
Audi Judex mortuorum, Una spes mortalium, Audi voces proferentur donum pacis praevium
Arbor foeta alma luce hoc sacrandum protulit, fert hoc prona praesens turba Salvatori saeculi
Stans ad aram imo supplex infulatus pontifex debitum persolvit omne consecrato Chrismate.
Consecrare tu dignare, Rex perennis Patriae, hoc olivum signum vivum, jura contra daemonum.

O Redentor, recebe os cantos daqueles que te aclamam.
Ouve, Juiz dos Mortos, esperança dos homens, ouve a voz dos que tomam a dádiva que antecede a paz.
Uma árvore viva com delicada luminosidade nos deu esta fruta que consagramos, e a feliz multidão aqui presente a oferece ao Salvador do mundo.
Em pé diante do altar, suplicando, o pontífice com seus adornos repara as dívidas com os óleos consagrados.
Digne-se, supremo Rei da Terra, a consagrar a oliveira, este sinal vivo, que combate o poder dos demônios.

 
 
 
 

À noite há o Sermão do Mandato, o Lavapés e a Guarda de Honra. Para todas esta cerimônias há um repertório tradicional envolvendo o coral e a orquestra. Este repertório inclue:

 
     
 

Mandatum, por Padre João Baptista Lehmann, com o seguinte texto:

 
 

Eu vos dou um novo mandamento, que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei.

 
     
 

E Pange Lingua

 
     
 

Pange lingua gloriosi corporis mysterium
sanguinisque pretiosi quem in mundi pretium
Fructus ventris generosi rex effudit gentium.
Nobis datus nobis natus ex intacta virgine
Tantum ergo Sacramentum veneremur cernui:
et antiquum documentum novo cedat ritui:
Praestet fides supplementum sensuum defectui.
Genitori, Genitoque laus et iubilatio,
Salus, honor, virtus quoque sit et benedictio;
Procedenti ab utroque compar sit laudatio.

 
 

 

 
 

Cante, ó lígua minha, este mistério do glorioso corpo
Cujo precioso sangue que, para redimir o mundo,
Do generoso fruto do ventre, o rei das nações deixou fluir.
Dado a nós, nascido por nós, de uma virgem imaculada.
Deixe-nos venerar, prostrando-nos, este grande sacramento
E as antigas leis dão lugar a um novo rito.
A fé serve para complementar aos defeitos dos sentidos.
Ao Pai e ao Filho, louvores e jubilações.
Saudações, glória e honra a Eles e a bênção;
E louvor àquele que vêm dos dois.

 
 
 
  Esta música é cantada durante uma procissão dentro da igreja, em que o Santíssimo Sacramento é levado à Capela. A Guarda de Honra permanece na capela enquanto ela está aberta para o povo.  
     
 
 
     
 
Próxima página