Áreas de estudo


 

Brasil

O Brasil possui idade média de 27 anos, a proporção de idosos na população é superior a 6,2 por cento e 13,2 milhões de pessoas tem idade igual ou superior a 65 anos. No ano 2050 os idosos com 65 anos ou mais de idade serão 48,9 milhões de pessoas, ou 22,7% da população Brasileira. O Brasil tem uma das populações com maior taxa de envelhecimento do mundo e as doenças e agravos crônicos não transmissíveis (DCNT) surgem como a principal prioridade de saúde pública. Entre as DCNT encontram-se os crescentes níveis de obesidade e outras condições associadas com a falta de atividade física. Existem evidências sobre o impacto que o aumento da atividade física tem na saúde, particularmente em idosos, ainda que estas evidências estejam melhor estabelecidas para outros grupos demográficos, os idosos compõem o grupo menos ativos e mais sedentário da população. Também está tornando-se claro que o ambiente urbano construído pode influenciar os níveis de atividade física, sugerindo que intervenções nesta área podem desempenhar um papel importante no apoio a estratégias de longo prazo para a saúde pública.

 

São escassos os estudos sobre atividade física em idosos no Brasil, embora haja alguma evidência que sugere associação entre a atividade física e melhor qualidade de vida e saúde, independentemente de idade, educação e condição socioeconômica. Contudo, espera-se que o aumento da compreensão sobre o papel do planejamento urbano sobre a atividade física de idosos, assim como sobre a afetividade de políticas relacionadas a estes temas, beneficiarão o desenvolvimento econômico e o bem-estar no Brasil, por meio do envelhecimento saudável nas cidades, redução de futuros custos com a saúde e o aumento da capacidade institucional.


 

Reino Unido

No Reino Unido, especificamente no norte da Irlanda, projeções mostram um rápido aumento da população idosa com aproximadamente 23 por cento projetada para ter 65 anos ou mais em 2035. Uma sociedade envelhecendo desta maneira representa um desafio maior de saúde pública devido à associação com os níveis de incapacidade, baixa qualidade de vida, morbidade e incremento da mortalidade. Os níveis de inatividade aumentam com a idade, com preocupantes 75 por cento de adultos com 50 anos ou mais que não atingem os níveis recomendados de AF na Irlanda do Norte.

 

Sites de estudo

O projeto possui uma abordagem de pesquisa explícita comparativa que estará primeiramente focada em dois estudos de caso: as cidades de Curitiba no Brasil e de Belfast no Reino Unido.